HORÁRIO DAS MISSAS

Igreja Matriz
Quarta-feira, às 19h30min
Domingo, às 10h
Sábado, às 19h

Comunidade
São Pedro
Domingo, às 18h30min
Quinta-feira, às 20h

Menino Jesus
Terça-feira: 19h30min
Domingo, às 9h

8ª Noite de novena à Nossa Senhora da Saúde

131122_logo_oitavanoitenovena

Na noite do dia 22/11/13, nos reunimos para celebrar 8ª Noite em honra à Nossa Padroeira Nossa Senhora da Saúde
Nesta noite tivemos apresença do padre Santiago Carrion Conde,que nos levou a reflexão do tema: Transformar as estruturas
A leitura de hoje nos desperta dois pontos bastante interessantes e comuns nos dias de hoje: a ganância e a inveja. Quando Jesus nos fala no evangelho de São Lucas: "Está escrito: 'Minha casa será casa de oração'. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões"; é possível imaginar uma tristeza no rosto deste homem santo, bondoso e piedoso que, ao ver pessoas necessitadas sendo humilhadas e exploradas. Ele demonstra-se indignado com os poderosos e comerciantes da época, não muito diferentes de alguns atuais, que querem obter ganhos ilícitos por causa das ambições desmedidas.
tema:
Renovação das estruturas Quando se fala em renovação das estruturas pastorais, pode-se escutar que se está falando em primeiro lugar do instrumental pastoral de que se dispõe e com o qual se dinamiza a vida das paróquias: está-se falando de conselhos paroquiais, comissões, equipes de trabalho, grupos de vida, movimentos, de velhas associações etc. E se está escutando que todos precisam ser renovados na sua configuração e nos elementos de sustentação: método e conteúdo. Que tudo isso anda meio devagar e que, assim como está, não dá conta de assumir a exigência missionária. Na realidade esses serviços não foram criados para fazer mais do que fazem. E quando foram criados para fazerem o que fazem, já era uma grande coisa. Quando eles foram criados, a preocupação era outra: era a de inserir os leigos e leigas na vida da Igreja e devolver-lhes a graça de participar na edificação da vida da Igreja. E isso bastava e foi o que fizeram e continuaram a fazer. Essas coisas já diziam que os leigos assim eram missionários. Participavam da vida da Igreja missionária, faziam apostolado. E com o tempo tudo se tornou doméstico demais: acolher as pessoas que “sobem a Jerusalém em certas ocasiões”, isto é, que procuram a Igreja em certas ocasiões e para certos serviços, encaminhar sua adesão, torná-las conscientes de sua vida cristã.
Na paróquia há muitas dessas estruturas instrumentais, algumas mais atuais, outras mais antigas. São as equipes de serviço pastoral. Umas só ornamentam, outras são mais funcionais. Todas ocupam espaço, tempo, pessoas dentro da estrutura maior. Algumas dessas estruturas estão presentes em todas as paroquiais porque decorrem do próprio jeito de ser Igreja, são mais eclesiais. Outras estão presentes em algumas paroquiais por decorrerem de situações próprias dessas paróquias. Pela tendência acumulativa das paroquiais, existem nela coisas velhas e novas, coisas de estimação e coisas em funcionamento.
Mexer com uma única parte da estrutura é atitude reformista: é pintar a cozinha e deixar a sala suja. Mexer em todas é mexer com a estrutura sistemática de todas as pequenas estruturas. E mexer nas estruturas visíveis sem antes mexer nas invisíveis é trabalhar na superfície. Pintamos todo o edifício, mas não mexemos nas suas estruturas de sustentação e de configuração. Acabamos fazendo coisas diferentes com a mesma mentalidade, com os mesmos modelos de pensamento, as mesmas ideologias. Por isso, renovar estruturas significa também conversão pastoral.
Todos os nossos serviços pastorais devem ser revistos, atualizados. Primeiro, para que eles continuem fazendo o que fazem em mais profundidade: com novos métodos, novos conteúdos. Segundo para que eles façam mais janelas e portas missionárias.
Na noite do dia 22/11/13, nos reunimos para celebrar  a 8ª Noite em honra à Nossa Padroeira Nossa Senhora da Saúde. Nesta noite tivemos a presença do padre Santiago Carrion Conde,que nos levou a reflexão do tema:"Transformar as estruturas".
 A leitura de hoje nos desperta dois pontos bastante interessantes e comuns nos dias de hoje: a ganância e a inveja. Quando Jesus nos fala no evangelho de São Lucas: "Está escrito: 'Minha casa será casa de oração'. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões"; é possível imaginar uma tristeza no rosto deste homem santo, bondoso e piedoso que, ao ver pessoas necessitadas sendo humilhadas e exploradas. Ele demonstra-se indignado com os poderosos e comerciantes da época, não muito diferentes de alguns atuais, que querem obter ganhos ilícitos por causa das ambições desmedidas.
Renovação das estruturas,quando se fala em renovação das estruturas pastorais, pode-se escutar que se está falando em primeiro lugar do instrumental pastoral de que se dispõe e com o qual se dinamiza a vida das paróquias: está se falando de conselhos paroquiais, comissões, equipes de trabalho, grupos de vida, movimentos, de velhas associações etc. E se está escutando que todos precisam ser renovados na sua configuração e nos elementos de sustentação: método e conteúdo. Que tudo isso anda meio devagar e que, assim como está, não dá conta de assumir a exigência missionária. Na realidade esses serviços não foram criados para fazer mais do que fazem. E quando foram criados para fazerem o que fazem, já era uma grande coisa. Quando eles foram criados, a preocupação era outra: era a de inserir os leigos e leigas na vida da Igreja e devolver-lhes a graça de participar na edificação da vida da Igreja. E isso bastava e foi o que fizeram e continuaram a fazer. Essas coisas já diziam que os leigos assim eram missionários. Participavam da vida da Igreja missionária, faziam apostolado. E com o tempo tudo se tornou doméstico demais: acolher as pessoas que “sobem a Jerusalém em certas ocasiões”, isto é, que procuram a Igreja em certas ocasiões e para certos serviços, encaminhar sua adesão, torná-las conscientes de sua vida cristã.
Na paróquia há muitas dessas estruturas instrumentais, algumas mais atuais, outras mais antigas. São as equipes de serviço pastoral. Umas só ornamentam, outras são mais funcionais. Todas ocupam espaço, tempo, pessoas dentro da estrutura maior. Algumas dessas estruturas estão presentes em todas as paroquiais porque decorrem do próprio jeito de ser Igreja, são mais eclesiais. Outras estão presentes em algumas paroquiais por decorrerem de situações próprias dessas paróquias. Pela tendência acumulativa das paroquiais, existem nela coisas velhas e novas, coisas de estimação e coisas em funcionamento.
Mexer com uma única parte da estrutura é atitude reformista: é pintar a cozinha e deixar a sala suja. Mexer em todas é mexer com a estrutura sistemática de todas as pequenas estruturas. E mexer nas estruturas visíveis sem antes mexer nas invisíveis é trabalhar na superfície. Pintamos todo o edifício, mas não mexemos nas suas estruturas de sustentação e de configuração. Acabamos fazendo coisas diferentes com a mesma mentalidade, com os mesmos modelos de pensamento, as mesmas ideologias. Por isso, renovar estruturas significa também conversão pastoral.
Todos os nossos serviços pastorais devem ser revistos, atualizados. Primeiro, para que eles continuem fazendo o que fazem em mais profundidade: com novos métodos, novos conteúdos. Segundo para que eles façam mais janelas e portas missionárias.

                                          Pascom | Pastoral da Comunicação | Paróquia Nossa Senhora da Saúde

 



Supermercado Teka

Benfeitor

Benfeitor